3 dicas para desenhar móveis

3-dicas-para-desenhar-moveis.jpeg

A tendência dos últimos anos no mercado moveleiro tem sido a volta dos móveis sob medida: uma clientela mais exigente e com mais dinheiro para gastar passou a pedir por um mobiliário que atenda a demandas exclusivas.

Nesse contexto, o caminho para a pequena marcenaria se diferenciar passa por móveis com um design interessante e de qualidade. Veja, neste post, como desenhar móveis ainda melhores e conquistar seus clientes!

Defina o tipo de projeto

Existem inúmeras formas de se pensar um projeto de móveis, mas falaremos aqui das três abordagens mais comuns: o projeto híbrido, o desenvolvimento de um projeto próprio e a compra de projetos estrangeiros para adaptação.

Híbrido

Um projeto híbrido parte da absorção de várias referências de design, como tendências de mercado, peças de revistas e catálogos, móveis da concorrência ou mesmo antigos modelos desenhados pelo projetista. Esse tipo de projeto tem como vantagens o grande número de referências disponíveis e o resultado único que gera, embora possa falhar no que diz respeito às demandas específicas do público-alvo.

Design próprio

O desenvolvimento de projeto próprio parte da criatividade do desenhista, usando referências e inspirações que lhe agradem. Sua vantagem é a facilidade de criar um modelo de design exclusivo, embora as limitações de material e tempo disponíveis possam ser um fator negativo.

É também necessário cuidado com as necessidades do cliente: se possível, faça uma pesquisa de campo para identificar o que a clientela deseja, caso contrário, seu projeto pode ter problemas de aceitação, especialmente relacionados a ergonomia e facilidade de uso.

Compra de designs estrangeiros

A última forma de projeto a citar é a compra de projetos estrangeiros. Se, por um lado, a facilidade de comprar um design já pronto e disponível para adaptação é um chamativo, é importante considerar: será que sua clientela ficaria satisfeita com desenhos, cores e materiais que não são comuns por aqui? Sem contar que os gastos com adaptações por vezes podem superar as vantagens da compra.

Considere os efeitos óticos ao desenhar móveis

Mais do que simplesmente desenhar, é importante compreender os efeitos visuais causados pelos móveis quando inseridos no ambiente. Se o cliente deseja aumentar a altura aparente do cômodo, projete seus móveis com portas mais estreitas e altas, sem divisões horizontais, que devem ser usadas somente quando a demanda é por larguras aparentes maiores.

Pense nas dimensões externas e internas

Os móveis devem ser parte integral do cômodo, sem prejudicar o fluxo de pessoas ou ocupar espaço de mais. Quartos pequenos, por exemplo, não podem ter espaço comprometido por portas de abrir — nesse caso, invista em portas deslizantes.

Atenção também aos módulos internos: camisas e jaquetas precisam de 110 centímetros de altura livre no armário, enquanto vestidos já demandam 140 centímetros. Os outros módulos, como gavetas e calceiros, também devem ser dimensionados de acordo com a demanda do cliente.

Para facilitar seu trabalho, considere utilizar o 2020 Design, um software de projeto que vem com inúmeros desenhos e módulos inclusos, agilizando o atendimento de qualquer demanda.

Neste artigo, vimos dicas para desenhar móveis de qualidade e ganhar uma posição de destaque no mercado de móveis sob medida. Com essas informações, será mais fácil definir seu tipo de projeto de acordo com o público-alvo e as limitações orçamentárias. Agora é só deixar a criatividade fluir e começar a projetar!

Gostou das dicas? Então curta a nossa página no Facebook e fique por dentro de outros conteúdos como este!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.